terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Gravidez e Cigarro

Milhares de pessoas morrem por ano vitimas de ambientes poluídos pela fumaça de cigarros. São chamados fumantes passivos. Os efeitos negativos do tabaco sobre os fumantes passivos podem ser notados de forma mais intensa nas crianças, gestantes, doentes e idosos.

Ao fim de um dia em ambiente poluído pelo tabaco, os não fumantes podem ter aspirado até 10 cigarros. Filhos de fumantes adoecem duas vezes mais do que os filhos de não-fumantes e têm maior chance de seguir o exemplo dos pais.

Toda vez que a gestante fuma recebe 14% menos de oxigênio e tem seus batimentos cardíacos aumentados, prejudicando também o desenvolvimento do bebê, pois a nicotina transpassa a barreira placentária.

Filhos de mães fumantes nascem menores, com baixo pelo, podem apresentar insuficiência respiratória e maior chance de defeitos congênitos. É comprovado que o bebê que assimila nicotina fica exposto a vários problemas de saúde.

O fumo prejudica a mãe, o feto, dificulta o parto e a evolução do bebê, podendo ocorrer ainda:

· Desprendimento prematuro de placenta, placenta prévia, e infartos placentários;

· Partos longos e mais dolorosos;

· Aborto espontâneo;

· Recém-nascidos com baixo peso (220 a 300 gramas a menos);

· Diminuição do comprimento corporal e do perímetro cefálico;

· Retardo no crescimento;

· Alterações neurológicas, intelectuais (mentais) e de comportamento;

· Defeitos congênitos;

· Morte súbita do lactante.


É importante lembrar que está comprovado que o bebê assimila também nicotina através do leite materno, ficando sujeito a vários problemas de saúde.


PROTEJA SEU BEBÊ!


FONTE: IOP - Instituto de Oncologia do Paraná(material impresso)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Ano Novo! Vida Nova!

Olá minhas queridas!

Andei sumida, mas foi por um bom motivo, estava na casa dos meus pais, curtindo um colinho deles, foi uma delicia, mas agora estou de volta à minha casa e nesta última semana do ano, é normal começarmos a repensar como foi 2010 e planejar o que gostaríamos que acontecesse em 2011. Pois bem, é o que estou fazendo.
Em 2010 aconteceu muita coisa comigo, basicamente foi um ano de "testagens", carreira, maternidade, construção da casa nova, amizades....nossa, como testei coisas esse ano! Felizmente conseguir ter ótimos aprendizados, o que faz com que 2011 inicie com algumas decisões bem definidas, isso me dá uma tranquilidade!
Em 2011 irei me mudar para a casa que eu e meu esposo passamos 2010 construindo, essa acho que será a primeira grande mudança! Estou tão ansiosa e feliz por isso! Também irei "encomendar" minha estrelhinha linda e espero que papai do céu entenda que demos um tempo nos "treinos" pela correria da vida, mas que ainda queremos muito o nosso bebê e que ele não demore pra vir.

Também estou com algumas idéias novas para assuntos do blog, acho que vocês irão gostar!

No mais minhas queridas, espero que 20110 seja um ano de muitas realizações, conquistas, sucesso e fertilidade para todas vocês! Que a sua estrelhinha venha e brilhe muito em 2011!

Super beijo!

Lílian Monte

sábado, 30 de outubro de 2010

Gravidez e Beleza

Para a mulher a vaidade é mais que uma exigência social, trata-se de uma forma de sentir-se bem consigo mesma, de cuidar-se, amar-se e mostrar ao mundo, através de sua aparência física, toda sua satisfação consigo mesma, sua confiança e segurança. E essa satisfação não está relacionada com o que o mercado impõe como ideal, mas sim com o que ela entende como suficiente para aceitar-se e sentir-se bonita e saudável.

Para muitas, a idéia de ser mãe vem cheia de alegrias e sonhos, mas também muitos medos. Admitir que há medos em que seu corpo não volte a ser o que ele é ou era antes da gestação é comum e importante, pois mostra que você, mulher, além de preocupar-se com a criança que está por vir, ainda preocupa-se com você e que seu bem estar, item essencial para estar bem, segura e satisfeita consigo mesma e que influenciará diretamente nas suas “forças” para cuidar do seu lindo sonho!

Cabelos

Durante a gestação e a amamentação há muitas mudanças hormonais que podem levar à mudanças nas condições dos cabelos, ficando mais ou menos oleosos, por exemplo. Está atenta à essas mudanças é importante para que sejam utilizados xampus e condicionadores equivalentes, quando necessário. A estrutura também pode mudar, aonde cabelos cacheados ficam mais lisos e os lisos podem ficar mais finos e neste caso, há tendência de que a nova estrutura permaneça após o parto.

Após o parto é comum que os cabelos passem a cair

muito, pois durante a gestação, com imunidade baixa os cabelos poderiam cair mais do que o comum, porém, com as mudanças hormonais isso não ocorre e os fios que deveriam ter caído nessa fase, caem após o nascimento do bebê. Não há com o que se preocupar, pois é algo normal e que diminui com um tempo, se isso não acontecer, busque orientação profissional.

Rosto

As manchas na pele tendem a aumentar durante a gestação, visto que a produção de melanina aumenta quando exposta ao sol há cuidados essenciais:

- Protetor solar para a ser obrigatório- com a imunidade baixa a mulher passa a produzir mais melanina para proteger o DNA de suas células da e\pele contra os raios ultra-violetas, o que, em algumas regiões do corpo, resulta em cloasmas (manchas);

- Limpeza de pele – remover as impurezas uma vez ao mês também auxilia na proteção da pele, mas prefira sempre os produtos naturais e verifique a composição de tudo o que for utilizado em você (evitando ácidos e substancias agressivas);

Seios

As mamas começam a preparação e produção de leite e já no inicio da gestação os seios incham. Aos poucos ficam pesados e com isso exigem alguns cuidados, sendo o ideal, a utilização de sutiãs de sustentação, que impedirão que a pele se estique mais do que o necessário. Há fatores genéticos que influenciam na elasticidade da pele, mas a hidratação irá amenizar os riscos e para saber qual a melhor opção de óleos ou hidratantes, deve-se buscar um dermatologista para orientação.

Barriga

A pele da barriga estica-se durante a gestação e assim como os seios necessitam de suporte e hidratação. Mas neste caso, o cuidado maior está na alimentação, pois, não ganhando muito peso durante a gravidez, a pele ficará flácida após o parto, mas voltará ao normal com mais facilidade. Do contrario, planeje sessões de abdominais ou pilates para depois do parto.

Quadril

Os ossos dos quadris aumentam sua largura durante a gestação para facilitar a passagem do bebê. Neste caso, não há o que se prevenir, para acalme-se, pois em poucos meses eles voltam ao normal. Mas não confunda o aumentos dos ossos com gorduras localizadas por má alimentação, aqui, o mesmo vale que para a barriga, pois ganhar peso na gravidez não é o mesmo que ganhar gorduras, o peso da gestação está mais relacionado ao aumento de líquidos e do próprio feto.



CELULITE E ESTRIAS

Essas duas vilãs dão medo em muitas mulheres em todas as fases do seu desenvolvimento e durante a gravidez elas tornam-se mais propicias a se formarem, mas há como evita-las? Ambas estão relacionadas a questões hereditárias e qualidade de vida, como alimentação e sedentarismo. Seguem algumas dicas para amenizar o aparecimento delas:

Estrias

Para evita-las, o principal fator é controlar o peso, a gestação por si só faz com que haja aumento no tamanho da barriga, quadril e seios, lugares mais sucessíveis ao surgimento de estrias pela redução de elastina e colágeno na pele, que diminuem naturalmente na gravidez (e pode ser amenizado com a ingestão de vitamina C que estimula a produção dessas substancias), com isso o peso extra pode forçar a pele a esticar-se mais do que ela precisa. O inchaço causado pelo cumulo de água também pode ser reduzido com sessões de drenagens linfáticas, mas neste caso é essencial que o profissional saiba trabalhar com gestantes, pois a pressão na região abdominal é diferente e conforme as semanas passam também muda-se a forma da massagem.

Além disso, a hidratação deve ser redobrada, internamente bêbedo muita água e líquidos e externamente com cremes e formulações hidratantes, segundo a dermatologista Lígia Kogos [Link]"Pelo menos duas vezes ao dia, a grávida deve usa cremes que contenham uréia, vitamina E, lanolina e óleos em sua formulação. Não adianta só usar óleos", os óleos mais indicados são os de amêndoas, semente de uva, abacate ou macadâmia.

Usar calcinhas de cintura alta também ajudam, pois dão maior sustentação à pele da barriga e abdômen.


Celulite

Durante a gestação a mulher passa a reter mais liquido, exercitar-se menos e acumular mais gordura sob a pele, o resultado disso são as indesejáveis celulites!

Muitos dos produtos e tratamentos disponíveis atualmente são contra-indicados durante a gestação, mas calma, há opções para reduzir as indesejadas. A drenagem linfática manual, por exemplo, se realizada por um bom profissional, pode ser feita durante os nove meses, principalmente porque ajuda a reduzir o inchaço. Mas a região abdominal deve ficar de fora. A posição para a massagem também merece atenção: o ideal é que a mulher fique de lado com a cabeça um pouco elevada para não prejudicar a oxigenação do bebê. Há ainda, algumas dicas que podem servir não somente para evitar a celulite, mas outras indesejadas da gravidez:

- Atividades física: manter-se ativa é fundamental para hidratar, eliminar gorduras e toxinas da pele, mas realize somente os exercícios indicados pelo obstetra;

- Controle seu peso com uma dieta balanceada: não deixe de ingerir frutas, legumes, verduras e muito liquido;

- Use meia elástica: inicie com uma de suave compressão e aumente conforme as semanas, elas também auxiliarão na redução de varizes (evite as meias 7/8);

- Evite usar salto alto: ele dificulta o movimento da articulação dos pés e pernas, prejudicando a circulação sanguínea

- Tente não ficar mais de uma hora na mesma posição durante o dia, mecha-se na própria cadeia ou caminhe por 5 minutos;

- Coloque a perna para cima, na mesma altura do quadril, sempre que puder; [Link]

* para reduzir varizes também é indicado que se diminuía o consumo de sal e verificar com o médico sobre a inclusão de gengibre na alimentação, que estimula a circulação.

Segundo Simone Magalhães, existem alguns tratamentos estéticos que podem ser realizados durante a gestação

Procedimentos que podem ser realizados durante a gravidez

Drenagem linfática - É o tratamento estético mais indicado para a gestante, por ser uma massagem suave e lenta. “Ajuda a reduzir a retenção de líquido no corpo e diminui os inchaços típicos da gravidez, auxiliando, assim, na redução da celulite”, afirma Isabella Vasconcelos.

Acupuntura estética - Facial: Diminui edemas e rugas de expressão, e atua no rejuvenescimento dos tecidos. “Uma das maiores queixas da gestante é em relação ao inchaço, e a acupuntura estética facial traz um ótimo resultado nesse sentido e não tem contra-indicação”, aponta Isabella. Corporal: O uso da acupuntura direcionada para drenagem linfática auxilia na diminuição da retenção de líquidos.

Terapia de pedras quentes – A terapia de pedras quentes é realizada com pedras vulcânicas que, depois de banhadas em óleos aromáticos, entram em contato com a pele. “Trata-se da aplicação conjunta da massoterapia e da termoterapia. Por meio da variação de temperatura, a massagem com pedras intensifica a resposta fisiológica do corpo”, complementa Isabella, alertando que a massagem não deve ser feita na barriga, "a pedra só fica posicionada nesse chacra". Essa terapia proporciona à gestante relaxamento e alívio de dores musculares.

Banho de ofurô drenante – O banho drenante é feito em temperatura ideal e contém oligoselementos (fitoterápicos – ervas e ativos) que auxiliam na desintoxicação e drenagem, sendo, por isso, muito indicado para gestantes. “O banho estimula os vasos linfáticos a reabsorverem o líquido quer extravasou dos vasos”, explica a fisioterapeuta.

Terapia capilar – Alguns tratamentos capilares não são aconselhados durante a gestação em virtude do uso de produtos químicos. Porém, a terapia capilar que utiliza argila, óleos essenciais e algas pardas pode ser realizada sem restrições. A terapia é indicada para a hidratação e tratamento do fio e do couro cabeludo, além de atuar com sucesso na queda de cabelo suave. Em alguns casos, é utilizado o laser superficial, aumentando a vascularização couro cabeludo e atuando na oleosidade. “A terapia capilar hidrata os fios e atua no combate à oleosidade excessiva, dando volume e aspecto saudável aos cabelos”, complementa a especialista.

Peeling de cristal – É realizado com um aparelho que possibilita uma abrasão leve à moderada para a retirada de tecido morto, a paciente pode retomar suas atividades logo após a realização do procedimento. Ajuda a combater as estrias, típicas do pós-parto. “Pode ser utilizado durante a gravidez, pois não são utilizadas substâncias que podem ser absorvidas pela pele, ele é um peeling mecânico”, justifica Letícia Spinelli.

Limpeza de pele – Algumas mulheres notam um aumento da oleosidade da pele e surgimento de acne, principalmente no primeiro trimestre. “A limpeza de pele não apresenta, contra-indicações para gestantes, a não ser quanto ao uso de alguns ácidos”, conclui a especialista. [Link]


Essas são alguma dicas, mas lembre-se: existem muitas variáveis que influenciam na formação do corpo, um acompanhamento profissional sempre será a melhor opção para saber quais as melhores opções para você!

Obrigada pela visita e espero que este post tenha lhe esclarecido algumas duvidas, não deixe de comentar!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dificuldade para engravidar

Olá todas! Desculpem o tempo de ausência, mas tive algumas mudanças na minha rotina e passarei a publicar materiais uma vez ao mês. Este post, tem como principal objetivo reunir informações sobre alguns motivos para se ter dificuldade em engravidar. Não sou médica obstetra, mas organizei alguns informativos e os coloquei aqui, espero que possa esclarecer algumas dúvidas, mas lembre-se: nenhuma dessas informações substitui uma consulta com um GO que poderá saber melhor qual o motivo da sua dificuldade em engravidar.

.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade atinge 15% a 20% dos casais em geral. As estatísticas mostram que em 30% dos casos o problema está na mulher; em 30% no homem; e nos restantes 40%, em ambos. São inúmeras as causas de infertilidade nos dois parceiros.

.

Peso

Segundo a OMS, 12% da incidência nas mulheres devem-se ao excesso (obesidade) ou à falta de peso. Que no Brasil representam cerca de 30% da população segundo o Ministério da Saúde e ainda colocam que: 8% a 10% das mulheres com dificuldade para engravidar são obesas. Mas o que a obesidade tem a ver com a dificuldade em engravidar? O excesso de peso pode gerar disfunções hormonais, como o excesso de estrogênio (que é produzido por células de gordura) e ele desencadeia uma reação como de um anticoncepcional, controlando a fertilidade, ou seja, muito estrógeno circulando envia uma “mensagem” para hipófise parar de liberar um hormônio que faz os ovários funcionarem e desse modo promoverem a ovulação.

O mesmo ocorre para quem é magra demais (índice de massa corpórea abaixo de 17% geralmente), principalmente para portadoras de anorexia nervosa e bulimia, pois estas pessoas possuem pouca gordura no organismo e passam a não produzir estrógeno suficiente para seus sistema reprodutor funcionar adequadamente, deixando de ovular. (Dr. Roger Abdelmassih e Dr. Vicente Abdelmassih)

.

Síndrome dos ovários Policísticos

Alterações menstruais constantes devem ser alerta para as mulheres. Mulheres que apresentam ovários policísticos produzem uma quantidade maior de hormônios masculinos, os andrógenos, fator que pode afetar a fertilidade. O principal problema que este desequilíbrio hormonal provoca está relacionado à ovulação. "A testosterona produzida pela mulher interfere nesse mecanismo e, ao mesmo tempo, aumenta a possibilidade da incidência de cistos, porque eles resultam de um defeito na ação dos hormônios do ovário, impedindo a ovulação", explica o especialista em ginecologia e reprodução humana, Joji Ueno do portal Minha Vida (www.minhavida.com.br), maior comunidade on-line de saúde e bem estar.

De acordo com Joji, os principais sintomas da síndrome dos ovários policísticos são as alterações menstruais. "A mulher menstrua a cada dois ou três meses e, freqüentemente, tem apenas dois ou três episódios de menstruação por ano", explica. Segundo ele, outro sintoma é o hirsutismo, ou seja, o aumento de pêlos no rosto, nos seios e na região mediana do abdômen. A obesidade também é um sintoma freqüente, que auxilia no agravamento da síndrome. Às vezes a paciente não tem as manifestações sintomáticas, mas, quando engorda, elas aparecem.

Geralmente, de acordo com os históricos clínicos, a síndrome se manifesta na puberdade e vai até a menopausa. Alguns casos tornam-se assintomáticos com o tratamento, mas é uma doença crônica. Por isso, é comum a mulher com ovário policístico procurar vários especialistas, ao longo da vida, em busca de tratamento. No entanto, a importância que se dá ao caso, depende da fase da vida que a mulher atravessa. Na puberdade e na adolescência os pêlos causam maior incômodo.

Fonte: Minha Vida.com.br (Link)

.

Endometriose

Doença que ocorre quando a mucosa que reveste o útero é expelida dentro da cavidade do abdômen ao invés de ser eliminada através do canal vaginal junto com o sangue menstrual e acaba dificultando a concepção. Alguns sintomas são cólicas fortes, que pioram a cada mês, aumento do fluxo menstrual, dores abdominais e dor durante a relação sexual são alguns dos sintomas associados à endometriose – uma doença imprevisível e ainda está sendo pesquisada pela Medicina. “Fatores relacionados a um refluxo de sangue menstrual pelas tubas uterinas na menstruação, alteração da imunidade do corpo da mulher e uma predisposição genética são alguns dos fatores que explicam o aparecimento da doença, mas não são os únicos”, explica a ginecologista Dra. Rosa Maria Neme, graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com residência médica e doutorado em Medicina na área de Ginecologia pela Universidade de São Paulo e Diretora do Centro de Endometriose São Paulo, primeira clínica de São Paulo especializada no tratamento da doença.

Hoje no Brasil, cerca de 15% da população feminina entre 15 e 45 anos sofre com a endometriose, uma doença caracterizada pela presença de tecido endometrial (tecido que reveste o útero internamente) fora da cavidade uterina.

A endometriose também é conhecida como “doença da mulher moderna”, já que seu aparecimento é influenciado pelo padrão de vida feminino atual: a mulher tem menos filhos, engravida mais tarde e, principalmente, é submetida constantemente a um maior nível de estresse.

Essa doença exige tratamento cuidadoso e atenção contínua. Trata-se de um problema que também gera informações imprecisas quanto ao seu grau de influencia na gravidez e na infertilidade feminina. Somente 40% das mulheres com endometriose apresentam problemas para engravidar. Alguns estudos mostram que estas mulheres podem ter uma chance de abortamento discretamente aumentada nos primeiros três meses de gestação. Quanto ao restante da gestação, não há nenhum risco.(Link)

Mais informações acesse: www.endometriosesp.com.br

.

Problemas ovulatórios

Principal causa de infertilidade nas mulheres, geralmente o que ocorre é uma falha na liberação de hormônios, irregularidade no ciclo menstrual ou problema nos ovários. Mediante isso, a ovulação fica prejudicada ou completamente ausente.

.

Alterações da tireóide

Aumento ou diminuição da função da glândula tireóide leva a um desequilíbrio hormonal, o que reflete no funcionamento dos ovários, consequentemente, na produção dos hormônios LH e FSH.

.

Aumento da prolactina

Quando há aumento deste hormônio, os ovários não funcionam direito, o problema pode bloquear ou interferir a ovulação. (Link)

.

Não se esqueça, conhecer o que está acontecendo conosco é importante, mas não há necessidade de sofrer com um problema sozinha, se existem profissionais prontos para lhe ajudar com isso. Busque seu Ginecologista-Obstetra quando tiver alguma dúvida, é a pessoa mais indicada para esclaresce-las. Acesse o link do site babycenter, aonde você pode saber um pouco mais sobre como identificar a infertilidade e o que fazer.